Artigo

Um atalho para a transformação digital dos pequenos negócios, apresenta Carlos Melles

Sebrae firmou parceria com a Magalu Transformação digital é 1 novo mantra Crise pode representar oportunidade

Amplamente aceita, a ideia de que toda crise representa também uma oportunidade traz alento para o setor dos pequenos negócios. O impacto negativo do coronavírus pode ser o atalho para que o setor chegue mais depressa à transformação digital, condição necessária à sobrevivência e ao crescimento nos últimos anos.

 A porta de entrada para essa inadiável travessia está na adesão ao comércio eletrônico, já em marcha como resposta à dura queda das atividades econômicas.

 Desde que a covid-19 começou a imprimir sua marca demolidora, mais empresas do segmento passaram a vender por meio das redes sociais, aplicativos ou sites da internet. Os números são significativos, conforme mostra pesquisa realizada pelo Sebrae e a Fundação Getúlio Vargas (FGV), entre 29 de maio e 2 de junho, em todo o Brasil.

 

Antes da crise, 49% dos pequenos negócios já usavam as vendas on-line para atender sua clientela. Agora, somando aqueles que já usavam e os que passaram a usar eles somam 64%. Ou seja, houve um aumento de 15 pontos percentuais, acrescidos exatamente por aqueles que declararam ter passado a se valer do e-commerce por causa da pandemia.

 

A perspectiva de aceitação é também favorável: 18% dos entrevistados disseram que ainda não haviam adotado os canais online, mas gostariam de fazê-lo em breve, ao lado de 17% que ainda não sabiam como a modalidade poderia se aplicar ao seu ramo. Apenas 6% afirmaram que não pretendiam adotar o caminho.

 

Essa evolução reflete a aceleração de um processo de mudança comportamental que já estava em andamento. A imposição do isolamento social na quarentena dos lares serviu de catalisador para amplas camadas de consumidores, obrigados a buscar produtos e serviços sem fazer deslocamentos pela cidade.

 

Antes comodidade, o delivery se consolidou, na garupa dos motoboys ou por meio do Uber, táxis e outros meios de entrega baseados em aplicativos. A compra de bens de consumo e de serviços a partir do teclado de celulares, computadores ou tablets vai se incorporando ao que se convencionou chamar de novo normal – tendência que tem boa chance de continuar na era pós-pandemia.

 

Para quem chegou agora ou está se afirmando na era do comércio eletrônico, a ocasião é propícia para tirar proveito dos novos horizontes que se abrem pela transformação digital, vista em seu conjunto de possibilidades em diferentes domínios da empresa, como a própria definição do modelo de negócio, a gestão, a contabilidade, o estoque, os recursos humanos, a relação com clientes e fornecedores, a concepção de novos produtos e serviços ou o marketing. 

 

Para os micro e pequenos empresários e os empreendedores em geral, há muitas experiências bem-sucedidas que podem servir como fonte de inspiração para o grande salto da transformação digital –processo que conduz uma organização a implementar uma estratégia de negócios baseada em tecnologias e soluções voltadas para clientes e consumidores cada vez mais conectados por meio da internet e de aplicativos.

 

Uma dessas experiências em particular merece ser destacada nessa crise econômica que estamos atravessando. É o Magazine Luiza, uma empresa tradicional de varejo que soube implantar uma forte plataforma digital e hoje brilha com a marca Magalu em múltiplos canais como e-commerce, redes sociais, marketplace e na própria loja física.

 

Como a transformação digital passou a ser um mantra para o Sebrae, era natural que em algum momento fosse estabelecida uma parceria com a Magalu para abrir novas e promissoras janelas de oportunidades aos pequenos negócios de todo o país. A aliança se dá agora no enfrentamento do coronavírus, um inimigo comum a todos os brasileiros e responsável por uma queda brutal nas vendas dos pequenos negócios.

 

A parceria permite aos pequenos varejistas acesso à plataforma do Parceiro Magalu, um ambiente digital que inclui novos canais de vendas do Magazine Luiza, por meio do site, de um aplicativo de sucesso e da rede de lojas físicas. Com um mercado potencial de milhões de novos consumidores, será possível a venda de produtos de forma simples e sem custo de adesão. A plataforma também facilita a gestão do negócio, mediante acompanhamento diário de resultados

 

Outra vantagem é realizar as vendas sem ter de se preocupar com a logística. Com a parceria, o Magalu Entregas se responsabiliza pelo envio do produto ao cliente, sem custos. O empresário precisa apenas emitir uma etiqueta de envio e despachar o seu pedido nos Correios. Para o marketing digital, a integração com o universo das redes sociais também está contemplada.

 

Da sua parte, o Sebrae coloca à disposição sua capilaridade no território nacional e know-how de capacitação, consultoria e inovação tecnológica para os pequenos negócios, preparando-os para o mundo digital. Quando a parceria estiver em plena operação, os clientes do Sebrae contarão com serviços exclusivos como a realização de um diagnóstico de maturidade para e-commerce, a orientação sobre os benefícios do marketplace e a capacitação em gestão de loja online.

 

Nessa aliança com a Magalu, está prevista ainda uma consultoria em estratégias digitais, incluindo gestão em temas como precificação, estoque, fluxo de caixa, logística e certificação digital. O Sebraetec prestará consultoria tecnológica, relacionada à inclusão da empresa na plataforma e aos produtos (fotos, cadastro e descrição), bem como divulgação nas redes sociais. A parceria do Sebrae com a Magalu já está operando em fase piloto em Pernambuco e São Paulo, devendo ser aberta a todos os pequenos negócios do país ainda neste mês de julho.

 

Evoluir do analógico para o digital passou a ser ainda mais urgente e até mesmo uma exigência para quem quer permanecer ativo no mercado e acredita em dias melhores.