Copa do Mundo

Expectativa dos pequenos negócios é de aumentar vendas na Copa

Próximo do começo da maior competição de futebol do mundo, empresários de pequenos negócios apostam no crescimento do movimento no Comércio e Serviços

 

A alguns dias da Copa do Mundo na Rússia, o otimismo do brasileiro não está depositado apenas na seleção, mas também nas vendas que começam a crescer com a aproximação do início dos jogos. A expectativa de vendas aumenta nos pequenos negócios, principalmente, do comércio de vestuário e enfeites, além de serviços. Apesar de ser uma competição sazonal, a Copa do Mundo é ainda um dos momentos em que os pequenos negócios do varejo costumam aumentar suas vendas, reforçar o estoque ou até contratar funcionários temporários, como acontece com bares e restaurantes. 

Thailini Paloschi, moradora de Águas Claras, no Distrito Federal, aproveitou a licença maternidade para unir o útil ao agradável. Sem ficar distante da filha de três meses, a administradora passou a vender uniformes da Seleção Brasileira pela internet.  O negócio superou suas expectativas. “Deu mais do que certo e já na primeira demanda não consegui atender todo mundo”, diz ela.

Mas para Thailini, trabalhar com vendas de produtos relacionados à Copa do Mundo não é novidade. “Desde criança eu vendia camisas junto com meu pai que as estendia em um varal pelas ruas de Brasília”, conta a administradora. Quando se trata de souveniers, buzinas, bonés e a camisa do jogador Neymar Jr, as crianças são os principais clientes de Daniel Moura dos Santos, em sua banca na Feira dos Importados, em Brasília. “É inevitável que o os meninos levem uma camisa da Seleção Brasileira”, conta Moura.

“São as micro e pequenas empresas que levam o País adiante, pois geram emprego e renda, além de serem as que estão mais perto da sociedade, com quem mantém maior contato pessoal, direto. Sem dúvida, grandes eventos, como a Copa, representam excelentes oportunidades para os pequenos negócios ”, afirma a diretora técnica no exercício da presidência do Sebrae, Heloisa Menezes.

Dias antes - Daniel afirma que as vendas estavam aceleradas, mas em decorrência da manifestação dos caminhoneiros, o movimento caiu. Porém, ele ressalta que poucos dias antes da competição as vendas aceleram. “Se o Brasil passar para as outras fases da Copa, com certeza vamos vender muito bem”, observa o vendedor, avaliando que muitas pessoas ainda não estão comprando produtos ligados à competição por causa da derrota do Brasil em 2014. “Mas isso passa”, brinca Daniel.

Os pequenos negócios devem lucrar nas áreas do Comércio e Serviços, setores que também abriram maior número de vagas de trabalho. No 1º quadrimestre de 2018, o saldo acumulado foi de 293 mil novos empregos, quase 10 vezes maior que os postos gerados pelas médias e grandes empresas neste mesmo período e 88,4% acima do saldo registrado por eles no mesmo período do ano passado.

Bons ventos - Em março de 2018, o volume do comércio varejista mostrou expansão de 6,5% na comparação com igual mês do ano anterior, décima segunda taxa positiva seguida, sendo esse avanço o maior desde abril de 2014 (6,7%).

Os dados do IBGE mostram que, em bases trimestrais, a vendas do comércio varejista, ao avançar 3,8% no primeiro trimestre de 2018, manteve o comportamento.

Veja algumas dicas do Sebrae para os pequenos negócios no período da Copa:

Segmentos mais diretamente envolvidos:

  • Bares e      restaurantes: Prepare-se para definir e divulgar fortemente (inclusive      pelas redes sociais) programação para os jogos do Brasil e de outros      grandes confrontos. Ambiente fechado, serviços, TVs...
  • Hotéis e      pousadas: Busque incluir nos pacotes a programação dos jogos;
  • Moda:      Procure dar visibilidade total ao verde e amarelo, combos, kits para      vendas adicionais, grade completa (cores/tamanhos);
  • Lojas de      material esportivo: Idem + foco na modalidade futebol;

Atenção com:

  • Time:      Engajado (treinamento específico para realizar vendas simultânea;      majoração de comissões no período operação ganha/ganha); Bem identificados      (fantasia criativa); focados em soluções;
  • Local:      Organizado (velocidade significa + vendas); loja ornamentada; proporcionar      experiência positiva (sons, aromas, serviços adicionais correlatos);
  • Jornada do      cliente: Desde o contato/momento zero com o cliente até um eventual      pós-venda com muita fluidez e sem fricção (dificuldades no pagamento,      devolução de mercadoria, etc.)
  •  Fidelização:      Busque alternativas de fidelização pós Copa, estratégias para que o      cliente transforme-se em um seguidor do seu negócio que eventualmente      conheceu durante a copa;
  • Compras: Só      vende bem quem compra bem, prepare-se para compras conjuntas com      empreendedores do mesmo segmento, compras maiores aumentam o poder de      barganha junto ao fornecedor;
  • Reposição de      estoques: Prepare-se para atender a um grande volume de vendas; muitas      distribuidoras ainda não reestabeleceram seus padrões de normalidade em      função da greve de caminhoneiros.