Impacto Social

Competição virtual fomenta ideias e soluções inovadoras para área social

A segunda edição do Social Hack já está com inscrições abertas para equipes de jovens acima de 18 anos. A maratona de ideias será totalmente virtual com foco nos negócios de impacto social

Natal – O Sebrae no Rio Grande do Norte está com inscrições abertas para os interessados em participar da segunda edição do Social Hack, uma maratona de ideias no formato hackathon em que jovens, universitários ou não, acima de 18 anos, podem desenvolver ideias de negócio e soluções inovadoras, visando ajudar o mundo a atingir os objetivos globais de desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). A competição será totalmente virtual e as inscrições gratuitas vão até o dia 15 de junho pelo site www.socialhack.com.br.

O Social Hack é uma realização do Sebrae-RN em parceria com a Powred by StartUpDays voltada a jovens maiores de idade de todo o País, que podem formar uma equipe e disputar online. As equipes concorrem a vários prêmios, como Amazon Echo Dot (1º lugar), Headphone JBL Bluetooth (2º lugar) e Pulseira Xiaomi Mi Band 4 (3º lugar). “Procuramos diversidade entre as equipes e queremos criar uma comunidade nacional de jovens que desejam mudar o mundo com suas iniciativas e ideias”, afirma a analista técnica do Sebrae-RN, Mona Paula Nóbrega, que coordena o Social Hack.
O evento será realizado entre os dias 18 e 20 de junho próximo e os jovens têm como desafio criar uma solução ou ideia de negócio de impacto social com base nos objetivos da ONU, entre eles, a erradicação da pobreza, fome zero e agricultura sustentável, trabalho decente e crescimento econômico, redução das desigualdades e ação contra a mudança global do clima.

É possível inscrever um time, convidando outros amigos, ou se inscrever individualmente. Neste caso, o candidato será encaixado em uma das equipes inscritas. A competição começa exatamente com a formação dessas equipes no dia 16. Dois dias depois, será realizada uma live de abertura, quando será repassado o briefing dos desafios. Também haverá ideação e estudos dos desafios. No dia 19, os participantes terão mentorias para auxiliá-los a estruturar e desenvolver a ideia de negócio, fazer a prototipagem e validação. No último dia, os projetos serão submetidos à avaliação e haverá a divulgação dos vencedores.

Além de toda experiência com a troca de conhecimento e do networking que o hackathon proporciona, as equipes com os melhores projetos receberão premiação para cada um dos integrantes do time.

No ano passado, o primeiro lugar ficou com grupo de estudantes do campus da Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa), em Mossoró, que desenvolveu um projeto de criação de peixes e outros produtos da aquicultura com a reutilização de poços de águas salinizadas, muito comuns na região Oeste do Rio Grande do Norte devido à atividade petrolífera. Estudantes do Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) em São Gonçalo do Amarante e do campus a Anhanguera em Currais Novos ficaram, respectivamente, em segundo e terceiro lugar na competição, que aconteceu no espaço Terroir, durante a Festa do Boi, no Parque Aristófanes Fernandes, em Parnamirim-RN.